CRISTIANISMO E UNIVERSIDADE

Seja bem-vindo a "CRISTIANISMO E UNIVERSIDADE". Aqui procuraremos apresentar artigos acerca de assuntos acadêmicos relacionados aos mais diversos saberes, mantendo sempre a premissa de que a teologia é a rainha das ciências, pois trata dos fundamentos (pressupostos) de todo pensamento, bem como de seu encerramento ou coroamento final. Inspiramo-nos em John Wesley, leitor voraz de poesia e filosofia clássica, conhecedor e professor de várias línguas, escritor de livros de medicina, teólogo, filantropo, professor de Oxford e pregador fervoroso do avivamento espiritual que incendiou a Inglaterra no século XVIII.

A situação atual é avaliada dentro de seus vários aspectos modais (econômico, jurídico, político, linguístico, etc.), mas com a certeza de que esses momentos da realidade precisam encontrar um fator último e absoluto que lhes dê coerência. Esse fator último define a cosmovisão adotada. Caso não reconheçamos Deus nela, incorreremos no erro de absolutizar algum aspecto modal, que é relativo por definição.

A nossa cosmovisão não é baseada na dicotomia "forma e matéria" (pensamento greco-clássico), nem na dicotomia "natureza-graça" (catolicismo), nem na "natureza-liberdade" (humanismo), mas, sim, na tricotomia "criação-queda-redenção" (pensamento evangélico).

ESTE BLOG INICIOU EM 09 DE JANEIRO DE 2012





segunda-feira, 3 de julho de 2017

DR. GLAUCO BARREIRA MAGALHÃES FILHO FAZ PALESTRA SOBRE "DIREITO NATURAL, ESTADO DE DIREITO E PROTESTANTISMO" NA FACULDADE DE DIREITO DO RECIFE

No dia 30 de junho de 2017, o Dr. Glauco Barreira Magalhães Filho integrou a banca examinadora de dissertação de mestrado de Vinicius Silva Pimentel, Coordenador do Núcleo Althusius de Estudos em Cosmovisão Cristã, na Faculdade de Direito do Recife - UFPE:



Na oportunidade, Dr. Glauco Barreira Magalhães Filho bateu foto ao lado da placa de formatura de seu pai, Glauco Barreira Magalhães, no Recife



À noite, o Dr. Glauco Barreira Magalhães Filho fez palestra sobre "Direito Natural, Estado de Direito e Protestantismo" para o Núcleo Althusius de Estudos em Cosmovisão Cristã na Faculdade de Direito do Recife - UFPE.









quinta-feira, 11 de maio de 2017

Cristianismo e Liberdade Civil






Dr. Jedidiah Morse em sermão pregado em 1799 em Charlestown, Massachusetts, disse:


“Em todos aqueles países onde existe pouca religião ou religião rude ou corrupta, como entre os países muçulmanos e pagãos, ali você vai encontrar, com no máximo uma única exceção, arbitrariedade e governo tirânico, ignorância grosseira e maldade, e deplorável pobreza entre o povo. À influência gentil do cristianismo nós devemos o grau de liberdade civil e felicidade social e política do qual o ser humano agora desfruta... Se assim for, segue que todos os esforços feitos para destruir as fundações da santa religião, em último caso, tendem a subverter também a nossa liberdade política e nossa felicidade. Quando os pilares do Cristianismo forem destruídos, nossa presente forma republicana de governo e todas as bênçãos que dela fluem, cairão com elas.” 

domingo, 23 de abril de 2017

MONTESQUIEU E O DESIGN INTELIGENTE



MONTESQUIEU (1689-1755), em o “Espírito das Leis” (Livro I, Cap. I), defendeu a Teoria do Design Inteligente:

“Os que disseram que uma fatalidade cega produziu todos os efeitos que vemos no mundo, disseram uma grande absurdidade. Pois que absurdidade maior do que uma fatalidade cega que teria produzido seres inteligentes?... Deus tem relação com o universo, como criador e conservador: as leis segundo as quais ele criou são aquelas segundo as quais ele conserva. Ele age segundo regras, porque as conhece; ele as conhece, porque as fez, por terem relação com a sua sabedoria e o seu poder.”

sábado, 18 de março de 2017

DR. GLAUCO BARREIRA MAGALHÃES FILHO FAZ PALESTRA SOBRE DIREITOS HUMANOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA

Em 17/03/2017, Dr. Glauco Barreira Magalhães Filho fez palestra sobre DIREITOS HUMANOS e participou de debates na Câmara Municipal de Fortaleza. Na ocasião, defendeu os direitos humanos como direitos naturais, baseados na natureza humana e correspondente a valores imutáveis que estão de acordo com a natureza das coisas e a reta razão. Combateu o sequestro ideológico do discurso de direitos humanos por grupos que militam por interesses segmentários em detrimento do restante da sociedade. Ressaltou ainda que a família natural é pré-política e não pode ser redesenhada pelo arbítrio estatal.







segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

O VERDADEIRO ÓPIO DO POVO

"O verdadeiro ópio do povo é a crença na inexistência do pós-morte - o imenso consolo de achar que não seremos julgados por nossas traições, ganância, covardia e homicídios" (Czeslaw Milosz, poeta polonês - 1911-2004, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1980)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Rev. Glauco Barreira Magalhães Filho pregará em Acampamento de Jovens em João Pessoa (Paraíba)


ORIENTAÇÕES DE JOHN WESLEY PARA VIDA MORAL DOS METODISTAS

"Espera-se que tenhais a fé que "transtorna o mundo". Não vos causará, portanto, tristeza: I - Absterdes-vos cuidadosamente da prática do mal, especialmente: 1) Não comprar ou vender no dia do Senhor. 2) Não tomar qualquer bebida alcoólica, a menos que seja indicada pelo médico. 3) Serdes de uma só palavra tanto no comprar como no vender. 4) Não penhorardes coisa alguma, mesmo que seja para salvar a vida. 5) Não mencionardes as faltas dos outros na sua ausência e impedirdes que os outros o façam. 6) Não usardes ornamentos desnecessários tais como anéis, brincos, colares, rendas e babados. 7) Fazerdes certas coisas desnecessárias tais como fumar e tomar rapé, senão quando prescrito pelo médico" (John Wesley - "Direções dadas às Sociedades Unidas" (VIII, 273- 74).

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

DISCURSO DO DR. GLAUCO BARREIRA MAGALHÃES FILHO EM MANIFESTAÇÃO CONTRA O ABORTO EM 22/01/2017 NA PRAÇA PORTUGAL (FORTALEZA-CE)


BATISTA OU REFORMADO? - PARTE II

            O Calvinismo original exige o batismo infantil, enquanto os antigos batistas o consideravam a maior de todas as abominações do papa.
No calvinismo, os filhos dos crentes são presumidamente tidos como eleitos e, por isso, batizados na infância. O batismo antes da fé não invalida o sacramento nesta visão, porque o homem não é salvo pela fé, mas tem fé porque é salvo (eleito). A própria regeneração acontece antes da fé no calvinismo.
Para Calvino e os primeiros calvinistas, os filhos dos crentes estão no pacto de Deus, sendo regenerados no batismo infantil ou obtendo ali a promessa certa de regeneração.
            João Calvino (que aceitou a validade de seu batismo infantil no romanismo e nunca teve um batismo legítimo) disse nas Institutas:

            “... Mas negamos [...] que, portanto, o poder de Deus não pode regenerar crianças [...] Deixe Deus, então, ser demandado por que Ele ordenou que a circuncisão fosse realizada nos corpos das crianças [...] pelo batismo somos enxertados no corpo de Cristo... crianças [...] devem ser batizads [...] Pois [...] os filhos [...] dos cristãos, como eles são, imediatamente, em seu nascimento,  recebidos por Deus como herdeiros do pacto, também devem ser admitidos no batismo”.

            O calvinista Homer Hoeksema, em seu livro Reformed Dogmatics, disse: “a regeneração pode acontecer na menor das crianças [...] na esfera da aliança de Deus, Ele geralmente regenera Seus filhos eleitos na infância”.

            O calvinista Michael Horton observa: “Além do mais, a teologia do pacto – incluindo o batismo dos filhos do pacto e o governo eclesiástico presbiteral liderado por ministros e presbíteros – pertencem a nossa confissão  comum juntamente com o famoso acróstico TULIP.  A gloriosa graça de Deus é tão evidente quanto  nossa visão do batismo e a Ceia do Senhor, mais como meios da graça que como atos humanos de comprometimento e lembrança.”

            O teólogo reformado Todd Billings também destacou a impossibilidade de separar os cinco pontos do calvinismo do sistema sacramental (incluído o batismo infantil) que ele implica.
            A Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMIR) não inclui qualquer grupo batista, embora alguns batistas queiram ser chamados de “batistas reformados”. Roger Olson observou: “A exclusão dos batistas da CMIR mais do que sugere que os cristãos reformados do mundo não consideram ‘batista reformado’ um termo historicamente preciso”. É interessante que a CMIR inclui até igrejas remonstrantes (que não se consideram calvinistas), mas não inclui os batistas!
            Os batistas que buscam identificação na Confissão de Westminster devem lembrar que essa confissão foi resultado de uma assembléia convocada e financiada pelo Parlamento inglês, a maior negação do princípio batista de separação entre igreja e Estado.
            O famoso teólogo batista Edgar Y. Mullins, em seu livro Baptists Beliefs (crenças batistas) fala sobre o papel do arbítrio liberto pela graça preveniente na aceitação da salvação:

            “O livre-arbítrio do homem é uma verdade tão fundamental como qualquer outra nos evangelhos e nunca deve ser cancelada em nossas declarações doutrinárias. O homem não seria homem sem o livre-arbítrio e Deus nunca nos priva de nossa humanidade moral ao nos salvar [...]. O decreto da salvação deve ser olhado como um todo para ser entendido. Alguns têm olhado somente para a escolha de Deus e ignorado o significado e a escolha necessária da parte do homem”.

            Alexander Maclaren, um dos grandes batistas da Inglaterra disse em Expositions of Holy Scripture:


            “Se eu não posso confiar nos meus sentidos para que eu faça isto ou não faça, conforme minha escolha, então não existe coisa alguma em que eu possa confiar. A vontade é o poder de determinar qual das duas [ou mais] estradas eu devo seguir [...]. Deus, a infinita Vontade, deu ao homem, a quem Ele fez à Sua imagem, esse inexplicável e impressionante poder, de concordar ou de se opor ao Seu propósito e à Sua voz...”.

            Conforme John Landers (Teologia dos Princípios Batistas), os batistas gerais (criam na expiação universal e não eram calvinistas) nasceram do contato entre não-conformistas ingleses e anabatistas da Europa continental. Surgiram na Inglaterra antes dos batistas particulares (os que criam na expiação limitada e eram calvinistas dos 5 pontos). Os batistas gerais não se viam ligados a Armínio, mas à tradição anabatista, a partir da qual vieram a acreditar que os batistas existiam desde os apóstolos e nunca estiveram na Igreja Romana. Apesar de não crerem como os calvinistas na eleição incondicional e na expiação limitada, sustentavam em suas declarações de fé a doutrina da “perseverança dos santos”.
            Com o despertar missionário, os batistas particulares (calvinistas, chamados de “cascaduras”) tiveram muitos problemas. A maioria resistia ao trabalho missionário em nome da doutrina da predestinação: povos ainda não alcançados não haviam sido objetos do decreto eletivo de Deus! A contra-argumentação, entretanto, dos batistas particulares que se sentiam chamados aos campos missionários terminou prevalecendo e enfraquecendo as convicções calvinistas. As novas declarações de fé dos batistas particulares passaram a se afastar cada vez mais do calvinismo, fazendo um percurso na direção dos batistas gerais.
            Os batistas particulares surgiram de igrejas congregacionais que abraçaram o batismo por imersão. Não estabeleceram vínculos históricos com os anabatistas.
            Os batistas gerais são para nós os verdadeiros batistas, os quais não apenas tem uma soteriologia consentânea com o batismo adulto, voluntário e sob profissão de fé, mas podem invocar atrás de si a continuidade apostólica por meio de diversos grupos que, desde a Constantinização da Cristandade, não pactuaram com ela.

Dr. Glauco Barreira Magalhães Filho

OBS: Para quem quiser saber sobre a posição histórica dos Batistas do Sul (EUA), leia o artigo “Uma afirmação do Entendimento Batista do Sul Tradicional  do Plano de Salvação de Deus”:  http://institutopietistadecultura.blogspot.com.br/2012/06/uma-afirmacao-do-entendimento-batista.html


domingo, 22 de janeiro de 2017

Rev. Glauco Barreira Magalhães Filho profere discurso em Manifestação Contra o Aborto em Fortaleza - 22/01/2017

O Dr. Glauco Barreira Magalhães Filho (pastor batista e professor universitário) proferiu discurso contra o aborto em Manifestação ocorrida hoje na Praça Portugal em Fortaleza-CE.